sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Coisas da vida


Quando a lua apareceu ninguém sonhava mais do que eu
Já era tarde, mas a noite é uma criança distraída
Depois que eu envelhecer ninguém precisa mais me dizer
Como é estranho ser humano nessas horas de partida
É o fim da picada, depois da estrada começa uma grande avenida
No fim da avenida, existe uma chance, uma sorte, uma nova saída
São coisas da vida
E a gente se olha, e não sabe
Se vai ou se fica
Qual é a moral? qual vai ser o final dessa história?
Eu não tenho nada prá dizer, por isso digo
Que eu não tenho muito o que perder, por isso jogo
Eu não tenho hora prá morrer, por isso sonho (...)

Rita lee

6 comentários:

Edimar Suely disse...

Olá,

Passando para conhecer seu belo espaço e desejar um ano novo cheio de saúde, alegria e paz em seu lar.

Smack!

Edimar Suely
jesusminharocha.blig.ig.com.br

Cris Rubi disse...

obrigada amiga
Desejo o mesmo pra vc tbm
bju

§ρΗІПЖ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Olá Cris!parabéns pelo prêmio Veja,mais do que merecido!

Há que se arriscar em certos momentos par ver a que horizonye chegamos...

Belo texto,um beijo!
Sonia Regina.

Iana disse...

"Pois todas as coisas são
belas, e se
tornam ainda mais belas
quando não temos medo de
conhecê-las e experimentá-las.
A experiência é a Vida com asas."
(Paulo Coelho)

Obrigada por me acompanhar
meu jardim esta de portas abertas para mais uma bela flor

beijos da simpes rosa amiga
Iana!!!

Tatiana disse...

Oi Cris...
só tenho a agradecer a visita e a oportunidade que você me deu de conhecer seu espaço tão belo.
Também estarei sempre aqui!

Um abraço carinhoso